segunda-feira, junho 2

Sobre padrões de beleza e a influência da mídia

Como raramente acontece na vida, a ideia pra esse post veio de nada menos que um trabalho escolar, para minha aula de sociologia, no caso. 
Vários grupos foram instruidos a fazer um projeto áudio-visual sobre diversos temas da atualidade, e o meu grupo em questão ficou com, olha bem, "influência da mídia". Não era difícil esperar que um time só de patricinhas fosse pensar de cara na indústria da moda&beleza e o papel de alta influência que ela tem dento da sociedade: influenciar, induzir, e, porque não, alienar.

Eu seria completamente hipócrita se começasse a atirar ovos nesse mercado, pois sou apaixonada por ele e pretendo um dia a ele pertencer, mas a medida que ia desenvolvendo esse projeto, me dei ciência (não que eu não a tivesse, mas bateu mais forte) de como tudo o que nós somos, tudo que nós queremos ser, esta direta ou indiretamente ligado ao que a indústria da moda, da maquiagem, dos cosméticos e de todo esse universo feminino tem a oferecer. 


Enquanto a parte "obscura" da minha mente acredita que tais padrões de beleza e comportamento nos são impostos para nos aprisionar, o lado "cor-de-rosa" ainda vê uma salvação nisso. Ok, o mercado fashion pode sim ter criado padrões de certa forma inatingíveis e pouco realistas, mas olha a quantidade de possibilidades que ele nos proporcionou! Graças a ele, podemos ser alguém novo a cada dia, podemos nos criar, nos recriar, nos reciclar e nos reinventar! Pois sim, de seis em seis meses as passarelas aparecem pra nos bombardear com informação de moda que iremos eventualmente desejar consumir, mas já é um conceito muito antigo esse de que para estar bem vestido é estreitamente necessário que se esteja na moda (eu mesma amo comprar alguma tendência se realmente me identifico com ela, mas sair na rua com a mesma cara de todo mundo é um pouco chato e não tem muita graça). 

No mundo dos cosméticos a mesma coisa. Uma manchinha que você não gosta? Um traço que você deseja amenizar? Existe um mundo de opções pra te ajudar a fazer isso! Até porque apesar de existir uma super campanha em prol do "se ame, você é lindo do seu jeito", a gente não é obrigado a gostar de 100% do nosso rosto. E é ok não curtir todos os nossos traços, não tem problema, mas queira "corrigi-los" por você, porque você se sentirá melhor, não porque a mídia, ou as pessoas, ou a indústria diz que você deve.


Os vídeos acima são parte de uma campanha da Dermablend que incentiva personalidades com desordens epidérmicas a mostrarem que não tem medo de se expor. Lindos e muito inspiradores!

Sim, sou meio que "advogada do diabo", mas também me coloco um pouco na posição de promotora. Não é ficar em cima do muro, é apenas entender que esses impactos não podem ser vistos apenas por um ângulo, mas por toda via devem ser filtrados ao máximo para que as nossas prioridades sejam sempre prioridades e para que tanto a mente quanto o corpo se mantenham sãos. 
O ideal seria se todos nós tivéssemos um filtro. Filtro esse que captaria todos os pontos e novidades positivas e usaria para nossa satisfação pessoal, ao mesmo tempo que jogaria fora tudo aquilo que é produzido apenas para nos tornar máquinas de compra programadas para gastar dinheiro. Mas nós não dispomos desse filtro mágico, logo, temos que nos esforçar para fazer esse trabalho manualmente (tarefa difícil, mas que vale muito a pena ser botada em prática).


Não existe uma conclusão, um ponto final, uma linha de chegada, eu, nesse post por exemplo, não cheguei nem em uma fração dessa corrida! E eu não tinha intenção maior que essa; desabafar um pouco sobre esse assunto que estava a dias corroendo a minha mente, aproveitando para deixar um valioso lembrete, o de você escolher por si mesma a sua própria definição de beleza. É difícil, mas tente separar os conceitos que a mídia nos impõe e decida, na sua própria concepção, o que é bonito. E se pararmos pra pensar, a graça tá nisso! O que é bonito pra um não vai necessariamente ser bonito pra outro, e vice-versa. Imagina como o mundo seria chato se isso tudo fosse tabelado? Então. Não deixe que a mídia tabele a beleza do mundo pra você.

6 comentários:

  1. Emocionante é a palavra, parabéns por abordar esse tema no seu blog! Sempre me achei diferente, sofri muito por isso, hoje eu até superei, mas lendo esse post e assistindo esses vídeos percebo que a única coisa que a maquiagem vai influenciar na minha vida é me deixar mais bonita, porque bonita eu já sou!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Monique, você não faz ideia do quanto eu fico feliz em ler isso!
      A graça é ser diferente mesmo, e grande parte da beleza que o mundo enxerga na gente vem da beleza que nós enxergamos em nós mesmas!
      Arrasou demais, tem é que se achar bonita mesmo!!
      Beijos :))

      Excluir
  2. Adorei o post! Eu tinha visto dois desses vídeos e acho que são super motivadores. A gente sempre fica na dúvida do que somos e do queremos ser e muitas das vezes não nos aceitamos pelo preconceito do mundo! A gente tem que se aceitar acima de tudo!
    Seu post vai pro meu top post da blogosfera no domingo!!!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uau, muito obrigada!
      Com certeza, a gente tem que se amar primeiro pra depois o mundo gostar do que vê na gente também!
      Beijos :)

      Excluir
  3. Voce escreve muito bem!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada!! Significa muito :))
      Beijos!

      Excluir

Esse espaço aqui é de vocês meninas! Comentei, perguntem, conversem, tricotem... pode fazer de tudo menos falar mal da blogueira hahaha :)
Beijos!