segunda-feira, setembro 15

Uma análise sobre a NWFY e o que ela apresentou de novo para nossos closets

Depois de um momento couture em Paris e Milão, as semanas de moda Primavera/Verão voltaram para Nova York para fazer seu caminho novamente até os hot spots da Europa. Os desfiles de Londres já estão rolando, mas enquanto Cara Delevigne e Kate Moss torram a sola do pé na passarela, eu fico aqui babando pelas coleções dos estilistas americanos que apresentaram suas novas criações na Big Apple.
Com uma interligação fita por um fio de elementos hippie, a semana de moda de Nova York apresentou inúmeras referencias à década de sessenta; as loucuras dos festivais de música estilo Woodstock, a make nude acompanhada de cabelo "zerado" e o leve flerte com a vibe western. Além dessas características, presentes nos desfiles de Altazurra, Rodarte, Tommy Hilfiger, Anna Sui e Jeremy Scott, mais vertentes da moda dessa década foram apresentadas em outras passarelas. Michael Kors, por exemplo, trouxe a feminilidade da mulher dos anos sessenta para brincar com o espirito jovem e livre da adolescente da mesma época, misturando Candice Swanpoeal de cropped e shortinho com Carol Trentini, de vestido floral a lá dondoca. 
A Lacoste também trouxe um pouco dos shapes mod dessa época. Um movimento marcado por listras, que marcaram sua presença no desfile da marca francesa em tons abertos e também nas criações de Alexander Wang, que se firmou mais uma vez ao seu estilo minimalista de fazer design.
Entre os pontos que se destacaram para mim, as face tattos de Tommy Hilfiger realmente colocaram os pingos nos Is desse desfile tão nostálgico e ao mesmo tempo tão atual. As estrelhinhas coloridas nas tèmporas das modelos fizeram seu complemento e sim, me deixou com vontade de fazer igual (não permanentemente, claro, só pra dar um pulinho ali no Coachella e voltar). Se fosse do marketing da marca, investiria na produção dessas fofuras, mas acho que essa foi apenas uma "moda de desfile" mesmo. Além delas, também me apaixonei pelas bijuterias e bordados de Ralph Lauren. Diferente de tudo que já vi a marca apresentar, as pedrarias coloridas que enfeitavam os looks do meio para o fim do desfile eram de prender o olho. Cada uma mais linda, trabalhada e colorida que a outra.


Por fim, também achei interessante, apesar de um pouco maluco o projeto que a Miley Cyrus apresentou em colaboração com Jeremy Scott. Os dois já são bffs de longa data e aproveitaram da afinidade e dos gostos parecidos em relação à moda divertida e se juntaram em uma exibição que estrelava esculturas doidinhas feitas por Miley. As obras, parte lúdicas, parte incompreensíveis, eram misturas de materiais e bijuterias super ninties com muita cor, muito neon e muito brilho, parecidíssimas com as criações que Jeremy mandou passarela a baixo. 


Honestamente, achei a NYFW cheia de ideias boas, mas execuções que não atiçaram meu interesse. Além desses dois itens-desejo citados acima, não me peguei desejando muita coisa não. Claro, um vestidinho preto daqueles da Versus não cairia mal, e também poderiam mandar a coleção inteira do Oscar de la Renta que eu não iria reclamar, mas obcecar eu não obcequei por nada. 
Entretanto, não perco meu espírito e positivismo, pois a semana de moda de Londers está aí e eu já ví coisa o suficiente pra dar aquela animada. A bola ta contigo Stella! Hahaha

6 comentários:

  1. Eu não acompanhei mas pelo pouco que ví em fotos, não foi muito interessante.
    Bjaum amore.

    Aline Laitarte - www.bomboneca.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente, foram poucas coisas que chamaram a minha atenção.
      Beijos Aline!

      Excluir
  2. Qual academia você frequenta?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Companhia Atlética do Pier 21 :)
      Beijos!

      Excluir

Esse espaço aqui é de vocês meninas! Comentei, perguntem, conversem, tricotem... pode fazer de tudo menos falar mal da blogueira hahaha :)
Beijos!